skip to Main Content
Ministérios Na Igreja

A IGREJA em sua organização pastoral contempla vários tipos de serviços ou ministérios. Há os ministérios ordenados que são o episcopado, o sacerdócio e o diaconato. O ministério dos bispos são exercidos de modo especial em uma diocese que congrega várias paróquias. O bispo ministra os sacramentos do crisma e da ordenação diaconal e sacerdotal. O sacerdote (padre) exerce sua missão numa paróquia ou em outras atividades relacionados com a igreja. O diácono permanente (que pode ser um leigo casado) exerce sua missão numa paróquia ou em outros serviços eclesiais.

Esses ministérios ordenados são constituídos por uma ordenação sacramental e válida para sempre. Fazem parte da Hierarquia da Igreja. Uma vez ordenado, será para toda a vida, mesmo quando, por algum motivo, deixe de exerce-lo. Um padre, por exemplo, que não queira mais exercer o sacerdócio para constituir família, deve pedir à Igreja a dispensa de seus votos ou compromissos, e então seguir outra vocação, mas continuará sempre padre.

Além dos ministérios ordenados existem vários outros não ordenados. Por exemplo o Ministério extraordinário da eucaristia, o ministério da Palavra, o ministério da consolação, o ministério da música etc. Esses ministérios tem por finalidade atender as várias necessidades da comunidade cristã. Os ministérios não ordenados são conferidos por um tempo, dois ou mais anos, que podem ser renovados várias vezes. Para ser escolhido para qualquer ministérios seja ordenado ou não são seguidos critérios. Entre outros a pessoa escolhida tem que viver sua fé cristã, professar os ensinamentos do Evangelho e da igreja. Por isso precisa ser pessoa de comprovada reputação e que dê um testemunho público de sua fé. Não pode, por exemplo, aderir a outras práticas religiosas contrárias a fé cristã. Um ministério é conferido ou a pessoa é investida para um serviço à comunidade, não visa autopromoção pessoal, nem prestígio. Deve ser serviço humilde pautado por uma vida cristã que dê testemunho.

Quando um ministro recebe uma investidura para exercer um determinado serviço (distribuir comunhão, leitor, etc) ele se compromete pelo tempo determinado a realizar seu serviço na comunidade para a qual foi escolhido. Não fica a seu bel prazer exercer só quando quiser ou lhe convém, mas sim deve estar à disposição para servir sempre que a comunidade necessitar dele. Como normalmente a investidura é feita e lhe é conferido um documento comprobatório escrito, se por algum motivo a pessoa não possa mais exerce-lo, deve também comunicar a quem de direito por escrito expondo suas razões. A prática de abandonar o ministério por alguma desavença que tenha tido com alguém da comunidade se torna contra testemunho e causador muitas vezes de escândalo. Essa atitude é indigna de quem foi escolhido e aceitou tal compromisso. Não entra nessa situação aqueles que por motivo de doença, idade, ou outra situação particular inviabilize a continuidade. Ninguém portanto, pode abandonar o ministério por capricho pessoal sem motivo sério.

Servir à igreja através de um ministério ordenado é vocação, servir à igreja através de um ministério não ordenado é serviço de doação e comprometimento com sua fé na comunidade onde vive.

Todos, ministros ordenados e não ordenados, são servidores do Evangelho, seguidores de Jesus, que diz que veio para servir e não ser servido!

Pe. Deolino P. Baldissera, sds

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top
X