skip to Main Content
(49) 3566-0270 paroquiavideira@gmail.com

Quando estamos ao sol sempre projetamos uma sombra de nós mesmos. A sombra não somos nós, mas uma espécie de fotografia em branco e preto apenas em forma de silhueta. Se nos movemos, caminhamos, viramos de lado, a sombra vai se movimentando e modificando conforme o ângulo do sol bate em nós. Nunca conseguimos pegar a nossa sombra e nem descansar embaixo dela. Ela uma hora vai à frente outra fica atrás. Não tem jeito de capturá-la. Jung (um famoso psicólogo suíço já falecido) usou a imagem da sombra para designar o lado do indivíduo que ele prefere não revelar. “Tudo aquilo que o sujeito se recusa a reconhecer sobre si mesmo e que, no entanto, está sempre se lançando sobre ele direta ou indiretamente”.

Se Jung tem razão isto significa que precisamos aceitar essa realidade que somos, isso é o que conhecemos de nós e o que não conhecemos ainda como realidades que nos pertencem e que não são necessariamente empecilhos para nossa felicidade. Não é necessário saber tudo de nós como condição para ser feliz. A felicidade é antes de tudo um grau de aceitação daquilo que somos e daquilo que a vida nos oferece nos seus diversos momentos, sem livrar-nos de nossas lutas e sofrimentos. Vivemos cercados por uma realidade complexa, impossível de conhecê-la completamente. Contudo, não é só o mundo externo que não entendemos, nossa realidade pessoal é também complexa e difícil de entender. Por isso nos estressamos, ficamos às vezes descontentes conosco mesmos, porque não sabemos o que está acontecendo dentro de nós.

Semanalmente ouço pessoas e percebo a luta de cada um procurando encontrar-se melhor consigo mesmo e entender sua vida com sua complexidade. Não raro cada um se encontra com suas decepções e frustrações e se pergunta como pode?  O que fazer? É uma luta que exige perseverança, coragem e discernimento. Não é fácil livrar-se das sombras do passado, das sombras do presente e das projetadas para o futuro. Muitos preferem acomodar-se no pouco que se conhecem porque não estão dispostos a pagar o preço por uma liberdade interior maior, que é exigente, porém compensadora. Ficar lamentando as sombras e não aceitar a verdade de si é uma forma de vitimismo compensatório que não garante nem futuro nem melhor qualidade de vida.

Pois bem, correr atrás da sombra é então uma tarefa pouco vantajosa, é desgastar-se à toa, perder tempo e energia em algo fora do alcance da mão. Isso parece ser lógico e à primeira vista ninguém faz isso, mas na verdade muitas pessoas parecem acreditar mais em suas sombras que em si próprios. Tais pessoas nunca estão contentes com o que são e ficam se lamentando da vida porque queriam pegar suas sombras e não conseguem, correm atrás delas e quanto mais rápido vão mais rápidas elas fogem de seu alcance. Seria mais útil aceitar o real e aprender a lidar bem com ele do que ficar sonhando com as sombras. Não confundir, porém sombras com ideais. Ideais são projetos vitais que levam o sujeito para frente com esperança de realizá-los. Ideais são atrações que motivam viver e dar sentido à vida. Quem não tem ideal já começou a morrer antes da hora, já começa fazer seu próprio velório com lamentações projetadas sobre suas sombras. Deixe de olhar para suas sombras, elas não impedem de você caminhar, nem tampouco são motivos de você desprezar sua vida. Se quiser olhe para elas como companheiras de viagem que apontam para você “lugares” ainda inexplorados, ocultos, e quem sabe escondendo riquezas suas ainda não descobertas, que você ainda não lhe deu atenção. Porém, continue caminhando, correndo atrás de seus ideais, permitindo que suas sombras estejam com você à frente, ao lado ou atrás, mas não as deixe paralisá-lo. Mantenha o comando de sua vida centrado nos pontos de luz que você conhece, pois é sobre esses que você pode se decidir livremente e ter segurança de que vale a pena viver, pois afinal eles lhe dizem que você é mais que suas sombras!

Pe. Deolino Pedro Baldissera, sds
Pároco

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top
X